quarta-feira, 19 de junho de 2013

OS 7 PECADOS REVIVALISTAS: TRAJES HISTÓRICOS

As dicas abaixo são referentes à tentativa de reproduções e réplicas de trajes históricos e não são válidas para criação de releituras.
Fizemos uma brincadeira com os "sete pecados capitais".

QUAIS SERIAM OS SETE PECADOS REVIVALISTAS EM TRAJES HISTÓRICOS?

1º Pecado: Silhueta histórica incorreta
A silhueta deve ser a primeira coisa observada por você num traje histórico.

O que é uma silhueta? 
É a forma como o corpo aparenta trajado, alterado com a adição de itens. 
Por exemplo: a silhueta feminina de 1860 (early victorian) tinha ombros pequenos e quadris imensos aumentados artificialmente com crinolina. Já a silhueta Império é reta, com um recorte abaixo do busto e saia solta e leve sem nenhum artifício de volume. 

Acima: Silhueta da Era Vitoriana Inicial e Silhueta Império.

Exemplo de diferentes silhuetas masculinas: a silhueta masculina renascentista tinha ombros largos e "bermudas bufantes" (trunk hose) já a silhueta masculina do começo da Era Vitoriana, tinha cintura fina (algumas vezes com ajuda de corsets), ombros largos e calças justas.


Se você acha que é um pouco difícil criar silhuetas históricas muito diferentes do seu biotipo, procure escolher uma silhueta histórica que seja semelhante à sua silhueta natural. 
Se você tem corpo ampulheta, a Era Vitoriana pode ser uma boa escolha. Se você tem o busto grande, porque não tentar a Bélle Epoque?
E os homens? Altos ficam muito bem de Renascimento e Medieval; baixos, qualquer época do século XIX e se você é o gordinho, o fim da Era Vitoriana e a Era Eduardiana favorecem seu biotipo.


2º Pecado: Corset por cima da roupa/Underwear inadequada
Não é apenas a silhueta que faz uma roupa parecer autêntica mas também o uso adequado das roupas de baixo. 
O corset (espartilho), por exemplo, é underwear e lingerie. Corsets usados de forma aparente só foram assim usados a partir do fim do século XX pelas subculturas. Há raros exemplos de corselets usados por cima da roupa em fins do século XIX, servindo como "cintos" mas sempre havia um espartilho usado junto como underwear. Se deseja entrar no dresscode de reconstrução de traje histórico, o espartilho deve estar por baixo da roupa e ser de acordo com a época escolhida.
Além do espartilho, estas foram algumas das roupas de baixo usadas para dar a silhueta de cada época:
- Farthingale 
- Panier
- Crinolina 
- Bustle 
- e peças como anáguas e o bloomer.
Temos uma loja parceira que confecciona estas peças (Josette Blanchard Ateliê) e há também tutoriais encontrados na web.

A bonequinha feita por Mara Sop, do site Fashion on Line, está usando um traje Early Victorian com um corset por cima da roupa! Numa reprodução ou réplica histórica, o corset é sempre underwear. Corset por cima da roupa é usado em releituras!


 
3º Pecado: Escolha incorreta de tecidos/estampas
As referências em trajes revivalistas costumam ser da elite, sendo assim os tecidos costumam ser de ótima qualidade. Se você tem pouco dinheiro, não se preocupe, basta procurar um bom tecido com preço acessível. Embora antigamente não existissem tecidos sintéticos, atualmente há sintéticos de boa qualidade que não parecem tão sintéticos assim e podem ser usados pra réplicas. Na dúvida, opte por tecidos naturais.

Mulheres: Vá na loja de tecidos e procure por tecidos 100% Algodão (tricoline), cetim de boa qualidade (evite os cetins fantasia), tafetás diversos, linho com poliéster, seda, rendas, veludos ou brocados. 
Vamos tomar como exemplo este vestido feito em veludo, seda e renda: suponhamos que você queira fazer uma réplica dele. Você pode usar no lugar da seda verdadeira - que é cara - um cetim ou um brocado de boa qualidade.

 

Para os homens:  se deseja um traje vitoriano, vá na loja de tecido e pergunte por tecidos de alfaiataria. Normalmente são algodões de várias gramaturas (espessuras) e texturas. Para trajes Rococó, seda, cetim, brocado. Medieval: veludo, algodão monocromático...



Para ambos os sexos:
Evite tecidos com muito brilho pois naquela época, o que costumava brilhar era ouro! Não havia sintéticos como lamê. Sempre que possível evite os tecidos muito sintéticos como oxford, nylon, mas se não for possível evitá-los, tente escolher os mais próximos possíveis de uma aparência natural. Evite também jeans e tecidos muito pesados. O tecido errado pode dar uma aparência inferior ou "não histórica" ao seu traje.

Estampas: Se não tiver em mente algo muito específico, como a reprodução de um determinado traje histórico, evite estampas. É perigoso comprar a estampa errada (ou inadequada para a época escolhida) e estragar todo o traje. Alguns desenhos de estampa são muito modernos.
Se deseja usar estampa de flores para a época Rococó, opte por estampas florais miúdas ou médias. Flores grandes apenas para a Era Elizabetana, preferencialmente em brocados.

Estampa de traje do século XVIII e estampa que seria considerada "muito moderna e brilhante" para tentar reproduzi-lo:


Já esta estampa, com tons mais pasteis seria uma boa opção.


Cores: Basicamente todas são permitidas: azuis, vermelhos, amarelos, rosas, brancos, verdes... Mas vale ressaltar que em algumas épocas, mulheres solteiras usavam determinadas cores e casadas outras (há algumas informações sobre isto nos posts de cada época no blog História da Moda).
Também houve modas de cores especificas durante alguns períodos, o preto costumava ser reservado ao luto especialmente na Era Vitoriana, listras e xadrez tiveram seus momentos de tendência mas não eram tão comuns. Por isso, fazer uma pesquisa história do período do traje escolhido é muito importante. Se tiver dúvidas, contate-nos por email.

4º Pecado: Falta de ornamentação
Acessórios eram muito importantes antigamente, algumas vezes usados até dentro de casa. Eles definiam até mesmo a classe social das pessoas.
Chapéus, acessórios de cabeça ou penteados são praticamente obrigatórios, exceto em situações específicas não era comum uma dama ou um lord andar sem estes componentes visuais. Alguns acessórios são: chapéus diversos (consultar a época de seu traje), luvas, leque, jóias.

Reparem nesta bonequinha feita por Mara Sop, do site Fashion on Line, ela está usando um traje Belle Époque, uma época super ornamentada <-- clique para conferir - o traje, está perfeito, mas a falta de acessórios não caracteriza a época...



... vamos comparar a bonequinha com esta imagem de um traje da época. Veja quantos acessórios e ornamentos: chapéu, penas, sombrinha, rendas... Diferença impressionante, não?



Calçados:  Você pode procurar em brechós ou bazares modelos semelhantes aos históricos e reformá-los com o mesmo tecido usado em seu vestido. Tutoriais simples na web ensinam como colar um tecido sobre o couro. Coloque o artesanato em prática.

Bordados: Se souber fazê-los ou conhecer alguém que os faça, são muito bem vindos, especialmente em trajes do século XIX. Em armarinhos é possível encontrar bordados prontos em pedaços de tecidos, em fitas ou em rendas.


5º Pecado: Cabelos e/ou maquiagem em desacordo
Continuação do tópico acima, sobre a falta de ornamentação.
Se não puder ou não encontrar um chapéu, peruca ou algo que represente o período histórico escolhido, faça um penteado simples próximo ao da época escolhida.
Quanto à maquiagem, pó, blush e batom estiveram presentes em vários momentos da história. Mas cuidado! A Era Vitoriana era super puritana e maquiagem não era usada! Isso mesmo: as mulheres vitorianas tinham a "cara lavada". 


6º Pecado: traje noturno X traje diurno X traje passeio X traje chá
Se hoje nós  usamos apenas uma roupa um dia inteiro, imagine que na Era Vitoriana houve até oito trocas de roupas!
Então, se pretende fazer um traje, observe que tipo de traje ele é: para uso matinal, vespertino, para a hora do chá, para um baile...
Para facilitar, vamos focar apenas em trajes diurnos e noturnos.

Os trajes diurnos eram mais formais. Os masculinos costumavam ser monocromáticos e em tons sóbrios. Já as mulheres do século XIX, usavam trajes super fechados durante o dia, algumas vezes apenas com o rosto aparente.


O traje noturno masculino vitoriano pode ser o White Tie ou o Black Tie, dependendo da ocasião e época. Uma boa dica é: eles trajavam calças de cor clara ou neutra durante o dia e escuras à noite. 
Já as mulheres do século XIX, expunham mais o corpo à noite, especialmente colo, ombros e braços e os vestidos eram mais ricos, elaborados e super ostentativos.


Um curiosidade: os "vestidos chá" foram criados em fins do século XIX para que as mulheres pudessem usar vestidos mais soltos em casa, sem o espartilho.


7º Pecado: Reconstituição histórica confusa

O que consideraríamos um traje confuso?
Uma réplica de uma época muito rica e opulenta em tecidos muito sintéticos ou de qualidade inferior;
A falta da silhueta correta, como neste caso muito bem explicados no Moda de Subculturas: Dica de Moda Histórica: Silhueta Romântica (observe que os trajes são de releitura, mas mesmo assim, observe as silhuetas incorretas).
Misturar tecidos muito diferentes;
Misturar épocas diferentes como a parte de cima vitoriana e a de baixo medieval ou misturas de muitas épocas num mesmo traje. 
Com as dicas que demos acima, achamos que vai ser difícil você errar!

Observem esta bonequinha feita por Mara Sop, do site Fashion on Line, ela está usando um traje super confuso!
O vestido é lindo e perfeitamente Rococó mas não tem o volume do Panier, nem peruca característica da época, nem a maquiagem, o cabelo está sem época definida e ainda usa um laço estilo Belle Époque para crianças e adolescentes... não poderíamos considerar isso uma reconstrução de um traje de época mesmo o vestido estando perfeito. Este look se encaixaria na categoria releitura. 





Conclusão
Uma das vantagens de se ter ao menos um traje histórico fidedigno é que poderás usá-lo em vários eventos anuais fazendo com que compense seus gastos com a feitura do mesmo.
Roupas de época não são de nosso uso diário, então é fácil errarmos ou termos dúvidas ao criá-las, o que é normal, pois não estamos habituados a fazer tais roupas, mas com o tempo adquire-se conhecimento, prática e sabedoria através das pesquisas.

* Este post continua em "DICAS BÁSICAS PARA A REPRODUÇÃO DE UM TRAJE HISTÓRICO"
* Se você não pretende fazer uma réplica de traje histórico e sim, fazer releitura, que tal ler nossos posts sobre TUTORIAIS e TRAJES?

* Fontes de Pesquisa usadas para este post:
- A Pratical Guide for Costume Mounting
- http://www.erasofelegance.com/fashion/sewing.html
- http://www.aidan-campbell.co.uk/textiles.htm
- http://www.historicalseamstress.com/
- http://www.historyinthemaking.org/
- http://www.koshka-the-cat.com/ 
- http://www.replicawarehouse.co.uk
- http://historicalsewing.com/the-biggest-mistake-costumers-make


3 comentários:

Moriel disse...

Só uma observação a respeito de espartilho por cima da roupa. Peças semelhantes a espartilhos underbust ou waist cinchers eram usadas por cima da roupa para afinar/destacar a cintura, tal como neste retrato http://thedreamstress.com/wp-content/uploads/2011/09/Mrs.-Wilton-Phipps-John-Singer-Sargent-American-painter-1884--358x500.jpg

Mais alguns: http://25.media.tumblr.com/tumblr_lfujlbt9lb1qegasto1_500.jpg

http://25.media.tumblr.com/1e3296d03be73ca9e4a4e3ee09e323cb/tumblr_mghmb5qdBz1s012nzo1_500.jpg

Mas é, é um modelo bem peculiar.

Rayane Lovelace disse...

Adorei! Muito bom mesmo.

Picnic Vitoriano SP disse...

De fato era incomum mesmo Moriel!
Esta obra de John Singer Sargent é Realmente linda! Mas as mulheres não usavam espartilhos por fora da roupa nas ruas e em picnics, apenas para retratos e na área artística (encontrarás muitas referências nesta área).
Os outros dois exemplos, no traje suiço era um corpete sobre o espartilho, ela provavelmente usava um espatilho como underwear também. Já na última imagem, do waist chincher, não sei em que contexto a foto foi tirada, ainda sim, uma foto linda e se alguém quiser reproduzir, ótimo, mas de fato, não era o padrão da época.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...