segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

PEÇAS FEMININAS PARA O PRÓXIMO EVENTO



Escolher um traje compreende pensar no seu uso estético seguindo, obviamente, as linhas históricas propostas pelo evento. Mas é possível possuir um pensamento prático e verificar se esse novo traje também não tem a versatilidade de ser readaptado ou recombinado várias vezes, formando novos looks. Sendo assim, as sugestões simples e práticas dessa postagem não se referem a um evento específico, pois aqui teremos peças versáteis que poderão ser frequentemente reutilizadas em outras ocasiões.

Peço desculpas pela qualidade das imagens. Amplie as imagens.




LONGAS SAIAS CIRCULARES










No plural mesmo porque com várias saias dessas é possível obter um bom volume para certas épocas. Saias que estiveram em moda da Renascença ao Rococó, de 1830 até 1917.  



LONGAS SAIAS JUSTAS OU EVASÊ

Saias longas, mas com volume contido e estratégico. As saias projetadas para trás são Eduardianas, as retas são da década de 10 e as bem justas, como a cinza, são adaptáveis aos anos 30 (você pode vê-la melhor AQUI). Mas a grande realidade é que elas podem ser adaptadas facilmente a vários períodos sem parecer que seu traje é repetido. 



BLUSAS E CAMISAS




A Era Eduardiana é a mais fácil de reproduzir por sua estética tão transformadora em poucos anos. A camisa social feminina branca é uma peça que serve de base para customização de quase todas as épocas. Com uma tesoura você pode fazer um decote redondo no ombro, eliminando a gola, como foi moda na Idade Média, no Barroco e na Era Vitoriana. Um decote quadrado lembrará as Eras Tudor, Georgiana e Vitoriana. A camisa com a gola intacta serve para as Eras Elizabetana e Eduardiana. Mesmo após fazer os decotes é possível cobri-lo com um fichu, readaptando novamente a peça. As blusas de babados certamente combinam com a Era Eduardiana, mas com a dica dos decotes podem ser convertidas em Rococó. 


Mesmo a camisa social masculina de corte reto pode ser reaproveitada para as décadas de 10 (com a saia de cintura alta) e 20 (cintura baixa). A blusa transparente e rendada da foto se encaixa nessas opções. Há muitas blusas de rendas em lojas populares. A última peça da montagem é incrível! Ela é de tecido sintético e pode ser usada tanto num evento revivalista (e aí inclui-se o estilo Steampunk) como no cotidiano. Ela pode ser vista melhor AQUI



ANÁGUA DE FILÓ

Ninguém está pedindo para você comprar uma crinolina ou um vestido de debutante, mas uma anágua, ainda que de volume médio, serve para todas as épocas volumosas com ligeiras adaptações. Uma saia armada horizontalmente de balé servirá para a Era Elizabetana, uma segunda saia armada menor servirá como crinolina.... Para se ter uma noção, um conjunto de cerca de 3 anáguas um pouco mais amplas que essa da foto saiu por cerca de 15 reais na Igreja do Padre Rubens (Vila Palmares na Diocese de S. André). 



VESTIDO IMPÉRIO























Apenas um vestido império pode servir de base para todas as épocas de cintura abaixo do busto. O ideal é que esse vestido seja branco ou preto, que são cores neutras e de alcinhas (talvez um pouco mais largas que o da foto).
Dê preferência ao decote quadrado porque ele foi mais aceito historicamente e é mais adaptável. Você pode acrescentar mangas longas e pesadas e uma gola Bertha (como as últimas medievais se vestiram), mangas longas e bufantes (como as italianas renascentistas), mangas curtas e menos bufantes (como as heroínas de Jane Austen), você pode acrescentar uma saia longa, como cintura império, se o comprimento permitir (lembre que as napoleônicas e brasileiras mostravam mais as pernas) ou acrescentar somente mangas curtas ou longas transparentes/rendadas e um robe com uma fita também império (como as tripulantes do Titanic) ou fazer um bolo de noiva no cabelo (como as sessentistas que também eram fãs da moda império faziam). Olha quanta coisa um vestido império pode fazer! 


CASACO LONGO

Um longo casaco pode fazer maravilhas e por essa razão quanto mais simples ele for, melhor ainda. Quanto mais mínima uma peça é, mais adaptável ela pode ser. Diante desse raciocínio, um sobretudo masculino é capaz de fazer muitas coisas. A peça acima tem abotoamento lateral tipicamente Late Edwardian/ Roaring Twenties, mas se o fecho for no meio e uma pele for costurada ele se torna Early Edwardian. Se fecho no meio e fita de cetim abaixo do busto, temos o redingote império. Se fecho no meio, mas uso sem abotoar, com gola Bertha e manga morcego: Late Medieval.










ACESSÓRIOS

Mantilhas rendadas são curingas desde o séc. XVI, porque cobrem a cabeça das mulheres em atividades religiosas, então é um exemplo de algo que serve para muitas épocas.
O bonnet foi utilizado do Império até 1860. Broches são extremamente versáteis também.
Calçados: sapatilhas são a opção mais flexível, mas botas também são úteis. 


Viram como é possível vestir-se bem gastando pouco e aproveitando peças do dia-a-dia? Na próxima postagem abordaremos as peças masculinas para o próximo evento.





Rommel Werneck


Um comentário:

Maria Luisa Rodrigues disse...

Quando será o próximo evento? Eu nunca fui e estou com muita vontade de ir.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...